2521 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.5/5 (2 votes cast)

Voltar aos dezessete

“Voltar aos 17 anos, depois de viver um século", cantava Mercedes Sosa a composição de Violeta Parra. A frase sempre inspirou Victorio Micheletti, paulistano de 90 anos, amante da arte de fotografar desde os anos 1940. Suas fotografias estavam guardadas num armário, cheias de lembranças, e agora se revelam novamente com este filme. O filme é uma produção da TV Cronópios, canal multimídia do Portal Cronópios (cronopios.com.br)

Tema: BIOGRAFIA

Tags: artista_anônimo, fotografia, história_de_vida, luz, victorio_micheletti, volver_a_los_diecisiete

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 25'

Diretor: Pipol (José Waldery M. Pires)

Produtor: Elaine Xavier e Ricardo Biserra

Ano: 2010

Formato: HD

Montagem: Pipol

Fotografia: Pipol

Trilha: Creative Commons

Filmografia do Diretor:
Pipol é editor-fundador e diretor de TV do portal de literatura e arte Cronópios (www.cronopios.com.br). Produz programas de entrevistas e documentários, inclusive em 3D, para a TV Cronópios, canal multimídia do Portal Cronópios.


Comentário do Diretor: Elaine visitava seu tio Victorio e descobriu, por acaso, fotografias (muitas) num armário torto bem arrumado, cheito de etiquetas e rótulos colados em caixinhas. Ficou surpresa, “como Alice”, ao descobrir que seu tio de 90 anos era um artísta, um fotógrafo. E começou a entrar no mundo desconhecido de Victorio. Encontrou fotos, slides e negativos registrados desde os anos 1940. Os negativos vinham com a marcação de cortes e estudos de enquadramento para serem trabalhados posteriomente em laboratório na máquina de ampliação.

Elaine me contatou sobre a possibilidade divulgação das fotos no Cronópios e daí surgiu a ideia de fazermos juntos este filme. Trabalhamos rápido e o resultado pode ser visto agora com o lançamento aqui no Cronópios. Gosto da iconoclastia que emana do filme quando mostra Victorio visitando exposição de Henri Cartier-Bresson. Victorio não conhece Bresson, por isso tem olhos comoventemente livres para criticar algumas fotografias que via, pela primeira vez, do famoso fotógrafo francês. Mais comovente ainda, por outro lado, são os elogios e o prazer que sente com as outras fotos que realmente gosta e se identifica. Nosso personagem é um fotógrafo bastante técnico, aprendi muito com ele durante a montagem deste filme. Nunca mais darei um “clique” sem lembrar de Victorio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. Waldnei disse:

    Fui contratado por Victorio para lhe prestar serviços de consultoria em TI e nos tornarmos grandes amigos…Por mais de 10 anos ouvi muitos conselhos, assistimos muita tv juntos em seu apto, fomos juntos à vários concertos em SP, compartilhamos muitas coisas…Um ser humano incrível de um valor inestimável…

CURTAS RELACIONADOS

Zé Barriga

Artista autodidata, Zé Barriga mora em uma favela de Belo Horizonte há 30 anos. Patrícia, nascida no local, sempre admirou...

Rouge

Ao encontrar um lago, uma jovem, fragmenta-se e cai num limbo atemporal de fortes sensações. Ao se perder, se reecontra...

É no pé do morro é lá no cafundó

Por regiões montanhosas da Bahia, Denise Santos e sua equipe viajam em busca de personagens, pessoas comuns. Um filme sobre...

Curandeiros do Jarê

ADEMÁRIO, OGAN DA CASA DE JARÊ DE PAI GIL DE OGUM, INICIA UMA JORNADA DE FÉ E CORAGEM EM BUSCA...

Ferradas, um berço Amado

Histórias sobre os primeiros anos de vida do escritor Jorge Amado e sobre o pequeno vilarejo de Ferradas, onde ele...

Canoa quebrada

Entre o apertado quarto de hotel e a igreja evangélica, uma visita surpresa feita a um parente desconhecido: o próprio...