5365 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.0/5 (2 votes cast)

Ouro Verde – A Roda de Samba do Marapé

A roda de samba Ouro Verde, de Santos, no bairro Marapé, leva esse nome por tocar todos os sábados no clube homônimo, na Rua 9 de julho. A roda é conhecida pelos santistas atentos ao samba de alto nível e principalmente pelos moradores do bairro; além de ser visitada por pessoas de outros lugares também (São Paulo e redondezas). A história não nega as raízes musicais do Marapé. Por muitas décadas, diferentes rodas de samba e grupos de choro marcavam ponto em algum bar da região ou nos quintais dos chalés: pontos de encontro de seresteiros, violeiros e afins. Atualmente é nítida a mudança, seja pela urbanização do bairro, onde os chalés deram lugar para os prédios, e também pela morte de muito daqueles personagens que ajudaram a perpetuar o samba na cidade. Assim, por sabermos da importância da roda do Ouro Verde para a vida musical de Santos, resolvemos tentar entender através dos depoimentos de integrantes da roda como eles conseguiram resistir bravamente por sua manutenção - afinal, existe sem qualquer subsídio.

Tema: CULTURA POPULAR

Tags: amigos, amizade, bar, marapé, memória, samba, samba de roda, santos

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 30'47"

Diretor: Nildo Ferreira e Kauê Nunes

Produtor: Day Rodrigues e Coletivo Dose de Inspiração

Ano: 2012

Formato: HD

Montagem: Nildo Ferreira, Nilton Ferreira, Kauê Nunes e Eduardo Bezerra

Som Direto: Aloizio Barros e Felipe Dutra

Fotografia: Nildo Ferreira, Nilton Ferreira, Kauê Nunes e Danilo Pimenteil


Comentário do Diretor: Nossa pesquisa aconteceu principalmente através de muito bate-papo com os moradores do bairro, frequentadores do clube e familiares dos músicos da roda. Todos sempre com uma história para contar e muito brilho nos olhos (saudosos de um Marapé que não existe mais), que nos fez crer mais ainda a importância desse registro em audiovisual. A memória nos causos e retida por cada um, mostradas com muito apreço ao nos contar. Entre uma cerveja e outra, ou uma batida de maracujá do Edmilson, aprendemos aquilo que os livros ainda não sabem: a vida de gente muito simples, generosas e protagonistas da cultura popular, o samba e suas histórias, hábitos e lembranças. Porém, a nossa surpresa foi a cada entrevista, em cada set de filmagem, o quanto há de Marapé na roda do Ouro Verde e o quanto eles todos são Marapé desde a tenra idade, mas principalmente enlaçados pela forte amizade. Todos são amigos, e a maioria desde a infância. Mas o que nos chamou mais atenção, foi a maneira que encontraram para guardar o passado cantado e musicado ali na beira do morro: através de encontros pontuais na antiga casa do patrono de toda a história da roda, o Seu Lili, regado por biritas e valsinhas antigas, eles reúnem-se todos os sábados, às 18h30. E assim nos abriram um lugar na roda, sentamos com a nossa curiosidade de aprendizes, olhos atentos e alegres por podermos ajudar levar a história da roda do Ouro Verde e Marapé para quem quiser conferir como se faz um samba, sempre autêntico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

    Este curta ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

CURTAS RELACIONADOS

Brincadeiras dos nossos avós

Através de uma pesquisa com pessoas mais idosas, educadores e alunos, conjuntamente com parcerias das escolas da cidade de Boa...

As advertências de Mandú

Os conselhos transmitidos há mais de vinte anos pelo xamã Mandú da Silva ecoam nos depoimentos ds indígenas do sul...

Zé da Viola – No balanço do Catira

Documentário sobre Zé da Viola, ibiunense que mantém viva a tradição do Catira, que conta um pouco de sua...

Quando a chuva vem

Quando a chuva vem parte de uma apropriação do modo de trabalhar de Ulisses Pereira. Na “limpeza” das...

Da voz libertadora à voz do Cariri

Situada a cerca de 170 km da capital, Boa Vista, na Paraíba,  tem como divulgadora da cidade na região a...

As Artes que Vêm do Mar

Niterói é uma cidade abastada de talentos de artes plásticas. E do mar vem muito da inspiração. Impulsionada por um...