3507 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.1/5 (9 votes cast)

Olhar Contestado

Este documentário aborda um episódio acontecido quase 15 anos após o término da Guerra de Canudos. Com proporções e significado semelhantes, a Guerra do Contestado conflagrou-se numa região do sul do Brasil cuja posse era disputada pelos estados do Paraná e Santa Catarina. Numa extensão de terras equivalente ao Estado de Alagoas (25 mil km2), durante mais de quatro anos, entre 1912 e 1916, uma população estimada em 20 mil sertanejos enfrentou as forças do governo e do coronelismo predominante na região, num conflito que chegou a envolver 80% do Exército Brasileiro. No término do conflito, Paraná e Santa Catarina assinaram um acordo estabelecendo definitivamente suas divisas. E foi no apogeu de tais lutas que pela primeira vez na história do Brasil as massas camponesas manifestaram a clara consciência da necessidade de garantir seu "direito de terras". A animação de câmeras virtuais sobre registros fotográficos, ilustrações e desenhos rotoscopiados sobre documentários da época, fornecem os elementos visuais necessários para a reconstituição minuciosa dos locais, personagens e eventos do conflito. As principais fotografias utilizadas são de Claro Jansson, fotógrafo contratado pela Madeireira Lumber, que registrou passagens fundamentais daquela que ficou conhecida como "Guerra Santa do Sul". "O Contestado ainda é uma guerra cheia de interrogações, cheia de dúvidas, do que realmente aconteceu. Ele (Claro Jansson) teve um papel, um papel didático, de deixar algumas imagens daquele momento histórico, que de certa forma seria invisível sem ele." -- Prof. Dr. Nilson Cesar Fraga -- autor do livro "Vale da Morte, o Contestado visto e sentido" "Eu acredito que essas fotografias, hoje, podem ser tomadas como a documentação visual de um projeto de modernização cujo impacto ainda não foi plenamente conhecido." -- Prof. Dr. Rafael Ginane Bezerra -- autor da tese "Guardados de um artesão de imagens: Claro Jansson e a fotografia na região do Contestado nas primeiras décadas do século XX" Além do importante caráter histórico/documental, o filme se destaca pelo fato de ser aberto (filme e fontes disponibilizados livremente) e ter sido produzido com ferramentas livres. "O movimento em questão não é só dos quadros, mas o movimento por descobertas tecnológicas e independência de produção." -- Portal do SERPRO, 26 de agosto de 2010 "Esse compartilhamento de conhecimentos é uma forma de retribuição. Espero que o projeto possa servir de incentivo." -- Fernando Severo para Revista Tema - Abril 2010 http://contestado.org

Tema: IDENTIDADE

Tags: direito de terras, fotografia, guerra, guerra do contestado, história, paraná, santa catarina

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 15'

Diretor: Fabianne Balvedi

Produtor: Fabianne Balvedi

Ano: 2012

Formato: Outros

Montagem: Sanjai Cardoso

Fotografia: Claro Jansson

Trilha: Jean Gabriell

Festivais:
Latinoware 2012 http://2012.latinoware.org/2012/10/olhar-contestado-um-exemplo-de-filme-criado-com- ferramentas-livres/ Campus Party 2013 > http://www.campus-party.com.br/2013/video.html http://www.youtube.com/watch?v=o3N91GUUE3E Mostra de Cinema do Desenvolvimento 2013 > http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=17224 IX Prêmio FIESP/SESI-SP de Cinema http://www.sesisp.org.br/cultura/premio-cinema-2013-programacao-op.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. adalice disse:

    Este filme não tem narrador, são somente entrevistas e com pessoas que estudaram a fundo esta história. Você provavelmente está falando sobre o Professor Nilson César Fraga, que trabalha com o tema do contestado há muitos anos e por isso sabe muito bem do que está falando. Uma coisa é ter terra suficiente, outra coisa é expulsar alguém das terras em que viviam seus ancestrais do nada, simplesmente porque alguém que nunca foi ali antes doou as terras em uma canetada para a exploração indiscriminada da madeira. E para explorar tem que ocupar, os sertanejos não tinham como viver junto com a ocupação feita pela Lumber, ela devastava tudo por onde passava.

  2. argos fayad disse:

    O narrador toma partido e ao faze-lo contraria a lógica além da história. Farqhuar Lumber queriam a madeira, nada mais. Terra existia bastante. O suficiente para o caboclo, o índio, o residente.

CURTAS RELACIONADOS

#IdeiasPerigosas

Em um universo cyberpunk centenas de pessoas, lideradas pelas #FEmininas, se reúnem formando uma Zona Autônoma Temporária de onde nascem...

Você tem identidade?

Dois jovens de locais urbanos historicamente opostos falam da construção de suas identidades. Em meio às falas vemos que eles...

Pati. O que vale esse povo?

Pati. O que vale esse povo? (2205) retrata de forma espontânea o cotidiano dos moradores do Vale do Pati ao...

O que Bererico vai pensar?

Um registro dos reflexos da  “Ação Integralista Brasileira” numa pequena vila no interior do Espírito Santo, onde a relação de...

O ser kalunga

Documentário sobre a comunidade Kalunga do município de Monte Alegre de Goiás. A comunidade, localizada no norte do Estado de...

Tremembé, meu amor

É um documentário lírico sobre o bairro do Tremembé, São Paulo, coração da Serra da Cantareira, maior floresta urbana do...