6804 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 5.0/5 (1 vote cast)

Cinema é Maresia

Qual é a essência do cinema? Mas afinal, o que é cinema? A película, um conjunto de filmes? A sala onde os assistimos? Ou será que é mesmo cachoeira, como disse Humberto Mauro? Humberto Mauro era de Minas Gerais. Terra de cachoeiras, muitos quilômetros distante da água salgada. Mas sua frase, que se tornou famosa, dizem que nasceu no Rio de Janeiro, onde o cinema acontecia bem perto do mar. A Cinemateca do MAM virou um ponto de encontro entre aqueles que gostavam e queriam fazer cinema. Era lá que se discutia arte, política e cultura, onde se via e se fazia cinema e é lá que se localiza todo o acervo do museus. Quadros, esculturas e filmes, sujeito a todos os efeitos que a maresia pode causar. Ela que, assim como o cinema, é invisível, impalpável. Mas emana, infiltra, penetra. Deixa sua marca.” A cinemateca do MAM-Rio é o ponto de partida para uma reflexão sobre a geração cineclubista que marcou a vida cultural carioca entre os anos 50 e 60 e originou o Cinema Novo. Walter Lima Jr, Cacá Diegues, José Carlos Avellar e Hernani Heffner são alguns dos personagens dessa viagem sentimental sobre cinema e memória.

Tema: ARTES

Tags: cineclube, cinemateca, humberto_mauro, mam-rio

Programa Relacionado: Arquivo de Cinema

Continuação: Parte 1 - Parte 2

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 18'

Diretor: Diogo Cavour

Produtor: Deborah Piller

Ano: 2010

Formato: HD

Montagem: Diogo Cavour e Júlia Fonseca

Som Direto: Júlia Fonseca

Fotografia: Mario Cascardo

Deixe uma resposta para Erica Cavour Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. kGwuhyeEMVtwgG disse:

    Never seen a betetr post! ICOCBW

  2. Maria disse:

    Interessante, nunca tinha pensado que o movimento do cinema novo tinha a ver com cineclubes.

  3. Cal Jorge disse:

    Um documentário muito gostoso de assistir. Pena que é um curta, mas as entrevistas são deliciosas. Parabéns ao Diretor e a toda Ficha Técnica! Sucesso!

  4. Erica Cavour disse:

    Parabéns , Diogo e equipe !
    Deu vontade de ir ver as sessões de cineclube com vocês! beijos, Erica

  5. Jorge Freitas disse:

    18 minutos deliciosos! Parabéns a toda a equipe. Direção perfeita!

  6. Tais Navarro disse:

    Parabéns! Documentário com tema super interessante, montagem super bem feita, qualidade de filmes do primeiro mundo! Excelente!

  7. Maristela Trindade disse:

    Feliz de dar água na boca do tempo!
    Saudades e vivência de algo que faz tão bem: CINECLUBES! Humano é o cinema.
    Beijos meu querido diretor e equipe.
    Parabéns!

CURTAS RELACIONADOS

Cubatão Meu Amor

A história da cidade de Cubatão no litoral do estado de São Paulo. A implantação do parque industrial e a...

Entre o silêncio e a gargalhada

As crianças nos contam a respeito dos espetáculos infantis que viram, nos mostram como a experiência estética também acontece com...

Culturas do Centro

O dia-a-dia dos frequentadores do Centro Cultural São Paulo e daqueles que trabalham lá. Suas opiniões sobre o que é...

Alfaiate

O documentário retrata de forma subjetiva e lírica a história de quatro Alfaiates de Fortaleza -CE que buscam se manter...

Sampa Graffiti | Nick Alive

Mais um episódio da série sobre o trabalho de grafiteiros atuantes em São Paulo e arredores. Neste curta, o registro...

Um domingo no MAM

Ano de 1971, Rio de Janeiro, Museu de Arte Moderna. Nesse espaço, entre janeiro e julho daquele ano, os últimos...