2470 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.0/5 (1 vote cast)

Leonel Mattos a 24 Quadros por Segundo

Um olhar documental sobre o artista afinado nos sete instrumentos das artes plásticas, Leonel Mattos, pintor, escultor, reconhecido pela crítica. Como uma espécie de muralista baiano, pratica, com brilho, democratizando o seu talento com as intervenções de arte no espaço público. O relato da passagem na estação do inferno, durante os agônicos quatro anos de cadeia, também mereceu uma sequência especial, quando incentivou os presos a se aproximarem da arte, e com ajuda de alguns, realizou um importante trabalho, de onde saiu a exposição: Caixa Preta. Premiada e exposta no MAM-BA.

Tema: ARTES

Tags: arte, bahia, espacio_público, grafito, intervención, leonel_mattos

Programa Relacionado: O Artista e a RuaEl artista y la calle

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 10'23"

Diretor: Tuna Espinheira

Produtor: Yara Maria

Ano: 2009

Formato: HD

Montagem: Tuna Espinheira/Claude Santos

Som Direto: Roque Araújo

Fotografia: Claude Santos

Trilha: Aderbal Duarte

Filmografia do Diretor:
- Leonel Mattos a 24 Quadros por Segundo. Doc. 10m. Cor. Documentário. Ano de
Produção 2009.
- Cascalho. Longa Metragem. Ficção. 104 minutos. Realizado em 2003/2004.
- Anos anteriores: Sobral Pinto. Doc. P&B. 35mm. 22 minutos- Grande Prêmio” do Júri do VI Festival Brasileiro de Curta Metragem, outorgado pelo Jornal do Brasil. 1976
- Cajaiba... O Fazendeiro do Ar. Doc. P&B. 12 minutos. Melhor Roteiro”, no IX Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, e de “Melhor Proposta de Criatividade”, na IV Jornada Brasileira de Curta Metragem.1979.
- A Mulher Marginalizada. Doc. 16mm. Cor. 30 minutos. Melhor Direção e Melhor
MelhorFilme, no VI Rio Cine Festival, e troféu de “Melhor Filme”, concedido pelo Ofício Católico Internacional de Cinema – OCIC. 1989.
- Comunidade do Maciel. Doc.P&B. 20 minutos. Convidado “hors concours” para o Festival Internacional de Nyon, na Suiça, e selecionado para o XX Festival Internacional de Oberhausen, na Alemanha. Prêmio de “Melhor Filme”, na I Mostra do Filme Documentário, em Curitiba. 1971
- Batatinha – Samba Não se Aprende no Colégio. Doc. 10 minutos. Cor. 1978
- Luis Gonzaga, o Rei do Baião. 20 minutos. Doc. P&B. (A primeira realização, ano 1968)


Comentário do Diretor: Um olhar documental sobre o artista afinado nos sete instrumentos das artes plásticas, Leonel Mattos, pintor, escultor, reconhecido pela crítica. Como uma espécie de Muralista baiano, pratica, com brilho, democratizando o seu talento com as intervenções de arte no espaço público. O relato da passagem na estação do inferno, durante os agônicos 4 anos de cadeia, também mereceu uma seqüência especial, quando incentivou os presos a se aproximarem da arte, e com ajuda de alguns, realizou um importante trabalho, de onde saiu a exposição: Caixa Preta. Premiada e exposta no MAM-BA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Este curta ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

CURTAS RELACIONADOS

Pedro – Ofício Tipógrafo

Pedro é um dos poucos tipógrafos que resistiram na cidade de Jacareí, interior de São Paulo, ele conta um pouco...

Esse é o carnaval da superação

Em 2009 a tradicional Escola de Samba Nenê de Vila Matilde, de São Paulo, foi rebaixada para o grupo de...

Ideias do Povo

Fala povo: que filme você faria com 3 minutos de...

Rosário

No início do século XVIII, ao serem descobertas as riquezas minerais da região de Milho Verde, muitos africanos foram trazidos...

Alguns Tritões

Um filme dos Tritões não pede...

Antônio Poteiro

Documentário sobre o artista goiano Antônio...