5344 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.3/5 (3 votes cast)

Zé Coco do Riachão – Minha viola e eu

Vida e obra do rabequeiro e violeiro mineiro Zé Côco do Riachão.

Tema: CULTURA POPULAR

Tags: zécocodoriachão

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 15'

Diretor: Waldir de Pina

Produtor: Márcio Curi

Ano: 2002

Montagem: Caetano Curi

Fotografia: Waldir de Pina

Trilha: Zé coco do Riachão

Festivais:
34º – Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – 2002

14° – Mostra Internacional de Curtas Metragem de São Paulo – 2003

4° – FIC – Festival Internacional de Cinema de Brasília – 2003

10° Vitória Cine Vídeo Festival – 2003

11° Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá – 2004

Participante da Mostra CURTA PETROBRÁS ÀS SEIS no programa “Curta Música” - 2004

Filmografia do Diretor:
- Passageiros de Segunda Classe, 16mm, 18min, 2001
- Santo Antônio do Olho D’Água, 16mm, 12min,2000
- Retrato Primeiro, betacam, 32min,2000
- O Toque do Tempo,betacam, 15min, 1999

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Este curta ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

CURTAS RELACIONADOS

Irmãs

Há um adágio que diz: “Em tempo de guerra, mentira é como...

Versos para liberdade

O documentário, gravado na região do Capão Redondo (zona Sul da cidade de São Paulo) apresenta depoimentos de poetas e...

Oficinas de Sulky de Simoca

"Oficinas de Sulky de Simoca" registra os processos artesanais da província de Tucumán, na Argentina. "OS Sulkys já quase não...

Zona Perdida

Zona Perdida - Curta Metragem - Em dezembro de 2008, buscava distância do pensamento poluído e condicionado da cidade. Iniciei...

Olhar Contestado

Este documentário aborda um episódio acontecido quase 15 anos após o término da Guerra de Canudos. Com proporções e significado...

Miguel Batista, o construtor de imagens

“Agradecemos o cinema

Pelos franceses inventados

Lumiére Louise August

Depois modernizado

Por Thomas Alva Edison

Foi americanizado”

Esse verso do cordel “A Glória do cinema cabe...