3516 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.0/5 (13 votes cast)

Era uma vez na cidade atômica

Em Pocinhos tem urânio. Em Pocinhos tem câncer. Em Pocinhos tem a maior pedra do mundo. Na pedra tem casas. Por baixo da pedra, uma noite teve uma explosão... (mais info: www.onelovefilmes.blogspot.com)

Tema: DIREITOS HUMANOS

Tags: câncer, especial_meioambiente, explosão, explosión, urânio

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 13'

Diretor: Riccardo Migliore

Produtor: Martins Alves, Daniel Cabral, Riccardo Migliore

Ano: 2011

Formato: HD

Montagem: Carlos Mosca, Riccardo Migliore

Som Direto: Martins Alves

Fotografia: Riccardo Migliore

Trilha: DJ Hunter (Nila Araújo)

Festivais:
MFL (mostra do filme livre), 2012, II Uranium International Film Festival

Filmografia do Diretor:
Natural de Milão (Itália), mora no Brasil há mais de seis anos. Realizador audiovisual independente, desde março de 2010 é parecerista credenciado pelo MinC, prestando serviço pela Secretaria do Audiovisual. Dirigiu diversos documentários e curtas de ficção e participou de festivais nacionais e internacionais de cinema, assim como, entre outros: É Tudo Verdade (2011), Cineport – Festival Internacional de Cinema dos Países de língua portuguesa (2007, 2011), In-edit Brasil (2011), Rassegna Brasil Cinema Contemporaneo (Milão, Itália, 2011), Zanzibar International Film Festival (Zanzibar, 2007), Mostra Internacional do filme etnográfico (2009, 2011), CineDocumenta (2010, 2011), Prêmio Roberto Rossellini (2004). Em Milão estudou Artes (Diploma de II grau, em 1996, pelo Liceo Artístico I) e Cinema (Scuola del Cinema, TV e Nuovi Media – Fondazione Scuole Civiche di Milano), e ainda estagiou e trabalhou em produtoras como a Mercurio Cinematografica. Participou de oficinas de cinema com profissionais de nível internacional (Gianfilippo Pedote, Gianni Squitieri, Bruno d’Annunzio, Renzo Rossellini, Mohammed Kalari, Yesim Ustaoglu, Marcélia Cartaxo, entre outros); E ministrou quatro oficinas de introdução: à fotografia, ao cinema e ao filme documentário (UFCG, 2008-2009). Também é graduando (concluinte 2012.1) em C. Sociais (UFCG), com pesquisa na área de Antropologia fílmica.


Comentário do Diretor: Em Pocinhos (PB), há aproximadamente meio século, alguns norte-americanos começaram a aparecer com freqüência, conduzindo pesquisas científicas no anonimato. A pequena cidade do semi-árido paraibano, hoje, tem um índice muito elevado de câncer. Pesquisadores brasileiros, nas décadas de setenta e oitenta do século passado, realizaram pesquisas in loco, confirmando a presença de urânio no subsolo do município. Neste documentário, os moradores falam sobre a situação, sendo que alguns deles testemunharam o processo de extração de urânio e a medição do mesmo com aparelhos científicos. Eles expressam as respectivas opiniões, ou protestam contra o silêncio que, ainda hoje, nega para a população local, qualquer informação capaz de elucidar os fatos e acima de tudo, a eventual relação entre urânio e câncer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Este curta ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

CURTAS RELACIONADOS

Um metro e meio de distância

Goiânia, janeiro de 2011. Ciclistas pedalam pela cidade em meio aos carros, contam suas histórias e pedalam em busca do...

DIGA 33

Uma cidade, uma pedreira, pó espalhado pelo ar. Diga 33, tosse, tosse, tosse... o pulmão completamente poluído pela...

Naturezas Mortas

Através da trajetória de um trabalhador de subsolo das minas de carvão, os aspectos negativos da mineração carbonífera para o...

O Caso Sarayaku

Terceiro documentário de uma série na Amazônia equatoriana. Sarayaku é uma comunidade indígena localizada na cidade de Pastaza.  Sarayaku (...

Somos todos catadores – Parte 1

A história dos catadores e catadoras do "Aterro da Codin", em Campos dos Goytacazes, contada pelo ponto de vista destas...

Pinheirinho

Demolição de um conjunto habitado por população humilde devido a especulação...