3246 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.0/5 (1 vote cast)

KinOpoÉTicaS – Katari Kamina

Este curta é uma homanagem ao legado de Tupac Katari, que em 1781 liderou um imenso levante no planalto andino. Katari atuou em consonância com a rebelição de Tupac Amaru, de 1780 no Perú. Ambos declaram o fim da mão de obra escrava, do regime de trabalho forçado imposto aos indígenas e a suspensão do pagamento de tributos a Coroa Espanhola. Apesar de ter morrido esquartejado em praça pública, seu levante é vitorioso para muitos historiadores: fez cambalear o sistema colonial espanhol, é considerado o embrião da independência dos países hispano-americanos e referencia ao processo histórico contemporâneo da Bolívia.

Tema: DIREITOS HUMANOS

Tags: atahualpa_yupanqui, bolívia, colonización, felipe_quispe, história, independencia, tupac_amaru, tupac_katari

Programa Relacionado: Povos da TerraPueblos de la Tierra

FICHA TÉCNICA

País: Bolívia / Brasil

Duração: 14'

Diretor: Pedro Dantas

Produtor: Carolina Valdés

Ano: 2011

Formato: HD

Montagem: Pedro Dantas

Som Direto: direto: Carolina Valdés / finalização: Marcelo Tupi

Fotografia: Pedro Dantas

Trilha: Atahualpa Yupanqui, agradecimento a ala FUNDACIÓN ATAHUALPA YUPANQUI

Filmografia do Diretor:
PEDRO DANTAS recibió como director y guionista de filmes de No-Ficción – KinOpoÉTicaS – Katari Kamina (2011), KinOpoÉTicaS – Torpellino (2010), La Moneda (2009), Ermelino É Luz (2009), Lamento Paulista (2008), KollaSuyo - A Guerra do Gás (2006), la serie de 3 cortometrajes ¿Onde Está América Latina? (2005), y Argentina Acorralada (2003) - un total de 15 premios en importantes festivales de cine de Brasil, tales como Gramado Cine Vídeo, Jornada Internacional de Cinema da Bahía, Festival de Cinema de Curitiba y FAM (Florianópolis Audiovisual do MERCOSUL). Es también Coordinador General y Curador del SP Leste en Movimento – Festival de Cinema da Zona Leste de São Paulo. Como periodista publicó artículos en revistas como História Viva (Editora Duetto) y Geografía – Conhecimento Prático (Editora escala).
Es alumno del Post-Grado Magíster en Cine Documental en la Universidad de Chile, con coordinación de Ignacio Agüero. Es graduado en Comunicación Social, periodismo, en la PUC-SP – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - (2003). Fue beneficiado con bolsa de estudio en el III Seminario de Guión y Producción Creativa de Audiovisual de No-Ficción de Ibermedia / Uniacc, en Santiago de Chile (2008)


Comentário do Diretor: Katari Kamina é um dos 5 curtas que compõem a obra KinOpoÉTicas.

A estética desenhada através de montagem discursiva*1 estabelece a identidade da obra como um todo e a coesão entre as cinco partes do filme. A montagem discursiva de KinOpoÉTicaS trabalha com dupla função: realça a entidade de cada elemento e ao mesmo tempo valoriza o conjunto qu e se cria a partir da sincronização de sentidos entre os diferentes elementos. As unidades discursivas são longas. A parte Katari Kamina, por exemplo, tem todo seu roteiro articulado a partir de apenas um depoimento; de Felipe Quispe, líder aymará quem nos conta sobre Tupaj Katari e a importância de seu legado na história contemporânea boliviana. A montagem conecta e sincroniza a esse depoimento outras formas de expressão: música de Atahualpa Yupanqui, música andina do grupo Inkamaru, solos de charango da paceña Flor Isabel, filmagens originais em locais relacionados à história narrada, obras do museu etnográfico de La Paz, imagens de arquivo histórico da história recente do país e imagens originais do próprio Felipe Quispe. A montagem discursiva não ilustra de forma pontual aquilo que o depoimento nos conta, mas atua como arte que irá revelar e provocar novas formas de compreensão e apreciação da realidade.

*1: • A Montagem Discursiva é aquela cujo os cortes e sincronização de sentidos estabelece o fluxo de informações e a estética do filme, que se faz preponderante através da montagem, e não do fluxo interno das imagens. A partir dos conceitos refletidos por Vicent Amiel em seu livro Estética Del Montaje, Abada editores, Madrid, 2005. Titulo original: Esthetiqué Du maontage, Nathan/Her, 2001.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Este curta ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

CURTAS RELACIONADOS

Arte em transe

Manifestações artísticas nas ruas há em todos os países, mas parece que elas se multiplicam na Espanha. As histórias de...

Parece Comigo

"Meninas negras não brincam com bonecas pretas", diz a letra do rap de Preta Rara, uma das personagens de Parece...

Rota das Navegações

A história dos naufrágios que ocorreram na região da Barra Sul da Ilha de Santa Catarina, no qual naufragou uma...

Índios – Som da Rua

Em 1991, um grupo de índios caiapós da grande aldeia Gorotire formou uma dissidência e partiu para fundar uma nova...

Saber, viver, lutar

Três mulheres, três comunidades rurais do Maranhão. Realidades distintas e algo em comum: o trabalho de ensinar adultos a ler...

Alimento: Direito ou Mercadoria?

Breves olhares, visitas, depoimentos e conversas são suficientes para desvelar questões e experiências de movimentos e entidades de luta pela...