5178 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 5.0/5 (2 votes cast)

Sem perder a ternura

Dionata nasceu em um acampamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, na zona rural de Abelardo Luz, oeste de SC. Ele e seus irmãos estudaram desde criança em escolas com a pedagogia do MST. Hoje, Dionata é aluno do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal da Fronteira Sul. Sua história e de sua família revela que a luta do movimento vai além da luta pela terra e que sua trajetória é um exemplo de conquista.

Tema: DIREITOS HUMANOS

Tags: educação, educación, especial_educação, especial_meioambiente, mst, pedagogia, UFFS

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 26'37"

Diretor: Marcia Paraiso e Ralf Tambke

Produtor: Marcia Paraiso

Ano: 2013

Formato: HD

Montagem: Glauco Broering

Som Direto: Ju Baratieri

Fotografia: Ralf Tambke

Trilha: Luiz Gayotto

Prêmios:
FAM 2013 - Prêmio Curta Doc Cinecipó - Menção Honrosa

Festivais:
FAM 2013 Cinecipó

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Este curta ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

CURTAS RELACIONADOS

Do solo à arte

Dona Sueli é uma artesã de Mantenópolis (ES), especialista no tratamento e manuseio da argila. Uma mulher que faz o...

Um passeio pela Praça do Rosário

Promenade. Rosario, Mococa, Sp. Um documentário visual no formato de passeio no em torno da praça da Rosario, como 'promenade', o...

Constitución

Constitución, um bairro marginal da cidade de Buenos Aires, é retratado a partir de personagens que dão vida a uma...

Lei da Mulher

Mulheres tão diferentes com uma história em comum: todas são vítimas de violência, seja sexual, moral ou psicológica. Elas compartilham...

Oi Lá no Céu!

O documentário, Oi Lá no Céu!, demonstra a relação entre o social-cotidiano dos tempos atuais e a importância da manutenção...

Sexo Virtual – com Contardo Calligaris

A internet mudou tudo. O trabalho, a comunicação, os relacionamentos, e, claro, o sexo.  Mas mudou para melhor ou para...