15602 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.9/5 (13 votes cast)

Trabalho precário produção de luxo

O documentário ilustra a dinâmica do trabalho inserida nas facções de roupa na cidade de  Fortaleza. Essa atividade é executada normalmente por mulheres, que trabalham em casa, e o custo dessa mão-de-obra possui um preço módico. A peça produzida na facção é comercializadas por refinadas lojas comerciais por um valor muito superior ao que é pago para a faccionista.

Tema: DIREITOS HUMANOS

Tags: costura, costureira, mulher, trabalho

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 16'36"

Diretor: Idalina Vinuto

Produtor: Idalina Vinuto

Ano: 2015

Formato: Digital

Montagem: Marcley de Aquino

Festivais:
Sercine Curta Canoa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. KELLY LENTZ LUMERTZ disse:

    Infelizmente acontece muito disso em todos os lugares do mundo. Local de trabalho não apropriado. Não reconhecimento de valores e mão de obra do produtor.

    Rating: 5.00/5. From 3 votes.
    Please wait...
  2. KELLY LENTZ LUMERTZ disse:

    Infelizmente acontece muito disso em todos os ligares do mundo. Local de trabalho não apropriado. Não reconhecimento de valores e mão de obra do produtor.

    No votes yet.
    Please wait...
  3. MIRIAN DE SOUSA MONTEIRO disse:

    TRISTE REALIDADE. NESTE DOC. MOSTRA A DESIGUALDADE POR INTERESSES .
    TODO SER HUMANO TEM O DIREITO DE BOAS CONDIÇOES DE TRABALHO . LOCAL ADEQUADO, REGISTRO NA CARTERIA DE TRABALHO. ALIMENTAÇÃO ADEQUADA. CARGA HORÁRIA CORRETA. BENEFICIOS DE PRESTADOR DE SERVIÇO PARA TAL CATEGORIA. É O MINIMO, RESPEITO E CUMPRIR OS DIREITOS TRABALHISTA .

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  4. FELIPE ALVES CORDEIRO disse:

    Trabalho precario é assimilado a

    No votes yet.
    Please wait...
  5. valbert diogo da cunha disse:

    trabalho excelente parabens a produçao pela profundidade e ao mesmo tempo pela simplicidade em descrever e apontar de maneira tão real algo que nos impacta a muito tempo

    No votes yet.
    Please wait...
  6. GIOVANI EDUARDO BASSO disse:

    Ótimo trabalho e finalizado com carinho, só não valorizado , como outros produtos bem produzidos a mão , as pessoas não valorizam a mão de obra como deveriam ser valorizadas.

    No votes yet.
    Please wait...
  7. Ana matias disse:

    Trabalho muito bem feito e feito com carinho e amor, mas não valorizado , como vários outros produtos bem produzidos a mão , as pessoas não valorizam a mão de obra como deveriam ser valorizadas.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  8. Paulo Roberto Waitman disse:

    mão de obra qualificada, porem seu salario praticado não corresponde com suas atividades caracterizando um total desrespeito com serres humanos pagando pouco porem seus lucros são bem maiores quando praticado nas vitrines sendo assim um desrespeito aos Direitos Humanos , uma família que esta sendo cerceada de seus direitos como salário digno para possa dar uma vida digna aos seu filho como lazer saúde e educação

    Rating: 1.00/5. From 2 votes.
    Please wait...
  9. Adrielli disse:

    Uma triste realidade, trabalho feito de bom gosto e capricho sem retorno monetário, mão de obra muito barata e valor do produto super saturado. A realidade de muitas mulheres e famílias sofrendo com a desigualdade de nosso País.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  10. Ana Paula disse:

    Infelizmente essa cena se repete em todo o país, a maioria dessas pessoas são mulheres, com péssimas condições de trabalho e escravidão, sem direito fundamentais que uma empresa deveria proporcionar, e para conseguir uma renda um pouco a mais, tem que trabalhar sem folgas, mesmo que no documentário ela diz que não é obrigatório os trabalhos de fim de semana, e mesmo trabalhando sem parar essas pessoas recebem uma miséria, e as vezes nem recebem, e infelizmente o faturamento dessas empresas de luxo só aumentam através desses trabalhos escravos.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  11. Mirian Nogueira disse:

    Obra de mão barata e preços super faturados, pessoas de baixa renda onde precisar de trabalho para sobreviver pega trabalhos para receber pouco. Os donos de lojas ganham valores absurdos onde suas peças tem um pequenos custo e um lucro enorme, essas pessoas trabalham em lugares precários, ficam horas em frente a uma máquina trabalhando, sem folga, sem descanso. No documentário diz que eles não são obrigados a trabalhar no domingo, porém para conseguir um valor maior de dinheiro eles trabalham de segunda a segunda. Esse tipo de trabalho deveria ser fiscalizados, assim seria pago um valor justo para essas pessoas.
    É triste saber que ainda hoje, existe esse tipo de trabalho.

    Rating: 2.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  12. valbert diogo da cunha disse:

    Infelizmente ainda é a realidade de muitas pessoas no mundo inteiro mas se tratando de brasil é um cenário ainda mais crítico ,tanta riqueza nas mãos de tão poucos , muita pobreza nas mãos de muitos na verdade quase todos .

    No votes yet.
    Please wait...
  13. JESSICA NUNES DE OLIVEIRA disse:

    Desumano

    No votes yet.
    Please wait...
  14. Sidinei Dorigon disse:

    São guerreiras mulheres que lutam todos os dias para levar o pão de cada dia na mesa para seus filhos, e ainda geram empregos elas trabalhando em casa ainda gera empregos, as autoridades precisam ver isso pois não tem carteiras assinadas não tem direito nenhum, sao poucas valorizadas coitadas ganham dois real somente por peça, isso e muito pouco.

    No votes yet.
    Please wait...
  15. Sidinei Dorigon disse:

    Sao mulheres muito guerreiras que lutam todos os dias para poder trazer o pão de cada dia na mesa, sao pouca valorizada pois aonde se viu pagar por uma peça dois real, e muito pouco, tambem nao tem carteira assinadas sem direito nenhum, sem garantia nem uma. As autoridades precisam ver isso, e ajudar essas guerreiras, pois sao poucas valorizadas.

    No votes yet.
    Please wait...
  16. JONATAS CARDOSO DA SILVA disse:

    Tema de extrema importancia, pois mostra que muita mão de obra não é valorizado, ainda mias quando é terceirizzado,Tema que deve abranger muitas discussões nos órgãos e entidades de direitos humanos, vejo como os escravos do século 21.

    No votes yet.
    Please wait...
  17. marcos disse:

    Acho que não só aqui no brasil ,mas em todo mundo ,pessoas de alto poder aproveitando das dificuldades de outra para ganhar dinheiro nas costas delas.

    No votes yet.
    Please wait...
  18. Paulo Roberto Waitman disse:

    a dinâmica de trabalho notamos ao assistir este episodio que seus direitos humanos sendo serciados, sabemos que seriam universais , outra decorrência lógica dessa concepção de direitos humanos independente do seu de nascimento e mesmo contextos o local que trabalha salubre a qual vivem, a jornada de trabalho não obedece as leis trabalhistas sem contar com baixo salario total descumprimento com o salario praticado no nosso pais ,sendo assim sendo necessário, a aplicação dos direito humanos para que possa ter direito a saúde educação e lazer, vemos ai um povo vivendo era absolutismo.

    No votes yet.
    Please wait...
  19. Sérgio José Longati Junior disse:

    O vídeo Trabalho Precário apresenta a realidade de uma grande parte da nossa sociedade, a desigualdade social. Famílias vivendo em situação de escravidão, sem que os seus direitos sejam respeitados.
    Nesse vídeo podemos observar que o trabalho de faccionista é mais um de muitos que atuam na informalidade, trazendo grandes prejuízos para o trabalhador.
    Podemos observar também que essa família não teve o direito da educação mantido, pelo simples fato do trabalho ser uma necessidade e não uma escolha.
    Apesar de ver o orgulho dessa mulher perante ao seu trabalho, vemos que em pleno século 21 a escravidão ainda não acabou só foi adaptada.
    Se analisarmos friamente esse vídeo, veremos que a falta do estudo e a falta de planejamento familiar desde o início da fase ativa de trabalho na sociedade, levam grande parte dos trabalhadores a trabalharem na informalidade, se sujeitando a serem explorados.

    No votes yet.
    Please wait...
  20. Ana Cristina Dos Santos disse:

    Os empresarios do ramo das confeccoes se aproveitam da necessidade das pessoas para se darem bem.Onde esta o ministerio do trabalho que nao ve esta exploracao.

    No votes yet.
    Please wait...
  21. Ana Cristina Dos Santos disse:

    Os empresarios do ramo das confeccoes se aproveitam da necessidade das pessoas para se darem bem.O es ta o ministerio do trabalho que nao ve esta eploracao.

    No votes yet.
    Please wait...
  22. Anderson Magno de LIma disse:

    O curta-metragem acima mencionado descreve um retrato da realidade de grande parte da população brasileira, principalmente as pessoas de baixa renda. Estas famílias através da criatividade conseguiram manter o sustento das pessoas. Esta situação se reflete ainda mais neste período de pandemia, onde muitos perderam seus empregos formais e tiveram que se adaptar em novas atividades.

    No votes yet.
    Please wait...
  23. Jefferson Lima disse:

    Tema que deve abranger muitas discussões nos órgãos e entidades de direitos humanos, vejo como os escravos do século 21.

    Rating: 4.50/5. From 4 votes.
    Please wait...
  24. Rita Ernandes disse:

    gente a simplicidade dessa mulher é marcante, o brilho no olhar dela desejando saber administrar seu próprio negocio é gritante, é uma pena que existam empresas que aproveitam de pessoas sem base e conhecimentos necessários sobre empreendimento.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  25. francisco andrey adamo disse:

    muuuito interessante

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  26. VERIDIANE disse:

    A Mulher ainda e discriminada na sociedade, muitas tem a sorte de ter um trabalho digno.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  27. geclienisson disse:

    Deveriam ter mais zelo com o direitos humanos, a mulher clama pelo direito da faccionista, clama pela uma carteira asssianada, ou mesmo por uma lei que veja o trabalho delas.

    Rating: 4.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  28. Isabel disse:

    As empresas se aproveitam da necessidade e até da ingenuidade das famílias carentes.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  29. Aline CABRAL Nunes disse:

    Exploração e Desvalorização da mão de obra do trabalhador.

    No votes yet.
    Please wait...
  30. Ewerton Pereira da Silva disse:

    Podemos observar nesse vídeo que existem muitos trabalhadores informais que por causa da informalidade não possuem nenhum direito trabalhista, não tem nenhum plano de saúde, seguro de vida ou coisa similar.
    O Brasil é o país da informalidade, e nos tempos atuais por causa da pandemia do novo corona virus certamente essa condição tem aumentado exponencialmente.

    No votes yet.
    Please wait...
  31. Catarina Santos disse:

    Nesse vídeo mostra que a falta de estudo trás uma desestruturação familiar, que impacta uma geração, mas mostra também que nos dias de hoje os pais valorizam mais os estudos dos seus filhos para que não passem pelas mesmas dificuldades. Podem até seguir no mesmo ramo, mas terão uma infraestrutura e conhecimento para nesse mesmo ramo poder ser bem mais sucedido que seus pais.

    No votes yet.
    Please wait...
  32. Catarina Santos disse:

    Desvalorização e péssimas condições de trabalho.

    No votes yet.
    Please wait...
  33. EuclidesJose da Siva disse:

    Realmente é preciso muito esforço e determinação dessas pessoas que querem ter uma vida mais digna . Precisam ser mais valorizadas

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  34. francisco andrey adamo disse:

    COMPLICADO,uma lástima que isso esteja acontecendo,estão ganhando a vida honestamente mas praticamente não são valorizadas pois são elas que confeccionam uma boua parte das mercadorias,era para estar com a carteira assinada,sei que o importante é GANHAR O PÃO COM HONESTIDADE mas seriam mais valorizadas se assinassem a carteira ou fossem mais reconhecidas.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  35. Andreia Paula Lourenço Pinto disse:

    A precariedade do trabalho tem como consequência a alienação e degradação da vida da classe trabalhadora que, para sobreviver, precisa submeter à venda da sua força de trabalhado por salários que viabilizam apenas o básico para a reprodução do trabalhador.

    No votes yet.
    Please wait...
  36. weslei disse:

    tinha que valorizar mais o trabalho do ser humano,paras com a exploração,pois muitas empresas exploram seus funcionários e muitas delas nem registram.

    No votes yet.
    Please wait...
  37. EDINEIA de Morais disse:

    Desvalorização do trabalho.

    No votes yet.
    Please wait...
  38. claudinei mancuso disse:

    Exploração do ser humano. Deveriam investir mais nas pessoas.

    No votes yet.
    Please wait...
    • Aline CABRAL Nunes disse:

      Exploração e humilhação dos trabalhadores.

      No votes yet.
      Please wait...
      • Fatima Machado Falconeres disse:

        Desvalorização do trabalho docente ,tendo em vista que e preocupante .
        muitos sai em busca de trabalho digno e acaba sendo maltratado .

        No votes yet.
        Please wait...

CURTAS RELACIONADOS

Peniel

Um documentário sobre a Missão Peniel Adonay: uma casa de recuperação de dependentes químicos. Estes, por sua vez, falam a...

A Bela Velhice

A velhice está inscrita em cada um de nós. Só assumindo conscientemente e plenamente, em todas as fases da vida,...

A la plaza el 24

Buenos Aires, 24 de marzo de 2012. La multitudinaria marcha con más de 30 años de caminos, es la protagonista...

Murais pela Identidade: Jorge Cuello

Em 2011, o artista Jorge Cuello fez uma intervenção numa das paredes da estação rodoviária na cidade serrana de Villa...

Coral das Lavadeiras – Som da Rua

Nove mulheres da Associação Comunitária das Lavadeiras de Almenara formaram um grupo musical que se apresenta regularmente em várias cidades...

Número Zero

A ONU estima a população mundial de meninos de rua em 150 milhões. Destes, cerca de 40% são sem teto,...