6736 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 3.8/5 (4 votes cast)

Morre Congo, Fica Congo

Até os anos 1970 o Jongo Rural de Angra dos Reis mantinha a comunhão dos seus praticantes nos encontros de terreiro. Esses encontros foram desfeitos a partir de 1973, durante o governo do General Emílio Garrastazu Médici, com as obras da rodovia Rio-Santos; a construção das usinas nucleares e a especulação imobiliária, que desfizeram laços sociais, trouxeram violência e obrigaram famílias inteiras a migrar de bairros como Mambucaba, Itaorna, Frade e Grataú para o Morro do Carmo, no centro de Angra. Memória da terra, saudades do local de origem, recuperação da autoestima, magia. “Morre congo, fica congo” é o registro raro e impressionante do Jongo Rural (manifestação oral-rítmica dos remanescentes de quilombos, com pontos falados, cantados e acompanhados de palmas e tambor), que é revelado, no filme, pelos depoimentos dos seus cinco últimos mestres praticantes: Carmo Moraes, na época, com 82 anos de idade; Dona Luisa, 67; Zady Rita, 62; Rosalvo Bernardo, 57 e Zé Adriano, 78.

Tema: ESPIRITUALIDADE

Tags: candomblé, cultura_tradicional, delcioteobaldo, dgtfilmes, especulación_inmobiliaria, espiritualidade, ficacongo, jongo, morre_congo, terrero, toninogueira

Programa Relacionado: Rastros do Quilombo

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 15'00"

Diretor: Délcio Teobaldo

Produtor: Toni Nogueira

Ano: 2001

Formato: HD

Fotografia: Toni Nogueira

Festivais:
; encerrou a mostra “Da chanchada à feijoada – O cinema negro no Brasil” (Museu da Imagem e do Som, São Paulo),O documentário já foi exibido em Rede Nacional (TV Cultura, São Paulo), programa Zoom,Morre Congo, fica Congo foi exibido em salas especiais (Museu da Imagem e do Som; Centro Cultural e Artístico Botafogo e Universidade Federal do Rio de Janeiro, durante a “I Semana de Artecultura”,encerrou o “II Festival de Arte Negra – FAN” (Belo Horizonte – MG),); convidado para exibição no Encontro Latino Americano de Culturas, México,no “III Discovering Latin America Film Festival ,Festival de Cinema e Video de Udine (Itália) e no “16º The International Documentary Film Festival of Marseilles” (França, 2005);VI Festival Latino de Londres (Itália, Havana, 2005).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Este curta ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

CURTAS RELACIONADOS

KinOpoÉTicaS – Katari Kamina

Este curta é uma homanagem ao legado de Tupac Katari, que em 1781 liderou um imenso levante no planalto andino....

O Ouro de Serra Pelada

Filme depoimento com Eliezer Luiz Jucá Soares, presidente da Cooperativa Mista dos Garimpeiros de Serra Pelada, COMGASP. Pioneiros do garimpo...

Todo esse sangue no campo

Em apenas 11 meses, dois jovens do movimento de luta no campo, de Santiago del Estero, Argentina, foram assassinados. Fazendeiros...

Oi Lá no Céu!

O documentário, Oi Lá no Céu!, demonstra a relação entre o social-cotidiano dos tempos atuais e a importância da manutenção...

O Cariri

A saga carnavalesca do velho Cariri...

Uma escola entre redes sociais

O documentário busca compreender o cotidiano de utilização das redes sociais por professores e estudantes de Ensino Médio do Colégio...