5158 visualizações
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 3.3/5 (3 votes cast)

Morre Congo, Fica Congo

Até os anos 1970 o Jongo Rural de Angra dos Reis mantinha a comunhão dos seus praticantes nos encontros de terreiro. Esses encontros foram desfeitos a partir de 1973, durante o governo do General Emílio Garrastazu Médici, com as obras da rodovia Rio-Santos; a construção das usinas nucleares e a especulação imobiliária, que desfizeram laços sociais, trouxeram violência e obrigaram famílias inteiras a migrar de bairros como Mambucaba, Itaorna, Frade e Grataú para o Morro do Carmo, no centro de Angra. Memória da terra, saudades do local de origem, recuperação da autoestima, magia. “Morre congo, fica congo” é o registro raro e impressionante do Jongo Rural (manifestação oral-rítmica dos remanescentes de quilombos, com pontos falados, cantados e acompanhados de palmas e tambor), que é revelado, no filme, pelos depoimentos dos seus cinco últimos mestres praticantes: Carmo Moraes, na época, com 82 anos de idade; Dona Luisa, 67; Zady Rita, 62; Rosalvo Bernardo, 57 e Zé Adriano, 78.

Tema: ESPIRITUALIDADE

Tags: candomblé, cultura_tradicional, delcioteobaldo, dgtfilmes, especulación_inmobiliaria, espiritualidade, ficacongo, jongo, morre_congo, terrero, toninogueira

Programa Relacionado: Rastros do Quilombo

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 15'00"

Diretor: Délcio Teobaldo

Produtor: Toni Nogueira

Ano: 2001

Formato: HD

Fotografia: Toni Nogueira

Festivais:
; encerrou a mostra “Da chanchada à feijoada – O cinema negro no Brasil” (Museu da Imagem e do Som, São Paulo),O documentário já foi exibido em Rede Nacional (TV Cultura, São Paulo), programa Zoom,Morre Congo, fica Congo foi exibido em salas especiais (Museu da Imagem e do Som; Centro Cultural e Artístico Botafogo e Universidade Federal do Rio de Janeiro, durante a “I Semana de Artecultura”,encerrou o “II Festival de Arte Negra – FAN” (Belo Horizonte – MG),); convidado para exibição no Encontro Latino Americano de Culturas, México,no “III Discovering Latin America Film Festival ,Festival de Cinema e Video de Udine (Itália) e no “16º The International Documentary Film Festival of Marseilles” (França, 2005);VI Festival Latino de Londres (Itália, Havana, 2005).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Este curta ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

CURTAS RELACIONADOS

Viva Cabo Verde

Um panorama etnográfico desse arquipélago africano, gravado cerca de duas décadas após o país ter se tornado independente de Portugal....

Índios – Som da Rua

Em 1991, um grupo de índios caiapós da grande aldeia Gorotire formou uma dissidência e partiu para fundar uma nova...

Mohamed

Sob a direção da irmã de Mohamed, esta história é uma declaração de amor. Enquanto ele luta para realizar seus...

Ao final do arcoiris

Alfonso Patiño é um fazendeiro que passou a vida tuda no município de Caramanta localizado a sudoeste de Antioquia, na Colômbia,...

Procura-se: (etno)grafando uma antropologia sensível

A partir de entrevistas aparentemente desconexas, o filme intenta no acompanhamento de um escopo do que se forma como a...

Rita

Rita é hoje uma senhora que quando criança foi abandonada pela mãe e depois encaminhada para a FEBEM, onde ficou...