5354 visionados
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.7/5 (11 votes cast)

Miguel Batista, el constructor de imágenes

El documental conta la história de Miguel Batista, personaje singular, albañil, poliglota, cinefilo, cineasta.

Autodidacta  en lenguas, es fluyente en español y esperanto y creador de un idioma y un dialecto inspirados en el tupi y en el portugués.

En su casa es posible encuentrar libros escritos desde el rumano hasta al sánscrito.

Pagando alquiler, con renta baja, el enfrenta las dificultades que el ejercício artístico impone. Sin desistir, entre los estudios de idiomas y el trabajo de albañil,

el continua a pensar proyectos que desarrollan la cultura del país.

Tema: BIOGRAFÍA

Tags: albañil, cinema_amador, constructor, construtor, jardim_gazuza, miguel_batista, pedreiro, periferia, poliglota

Programa Relacionado: PersonagensPersonajes

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 16'01"

Diretor: José Luís de Freitas

Produtor: Miguel Batista

Ano: 2010

Formato: HD

Montagem: idem

Som Direto: idem

Fotografia: José Luís de Freitas

Trilha: Banda Poucas Trancas

Prêmios:
Primeiro Lugar na Mostra de Artes de Diadema 2011

Festivais:
Classificado no Festival Internacional de Cinema de Varginha em 2010

Filmografia do Diretor:
Amor de Paulista - Curta, 2010
Limites da Manhã - Video Art, 2008
Sementes do Lácio - Documentário, 2006


Comentário do Diretor: Um pedreiro barbudo e de sorriso amigavelmente peculiar possui uma trajetória de vida dificilmente encontrada naqueles que exercem essa profissão. Os calos nas mãos de Miguel Batista dos Santos, 62 anos, não revelam que elas, além de erguer paredes, reformar e construir casas também operam câmeras, escrevem roteiros, versos e livros. O cineasta da construção já possui em seu currículo mais de 15 filmes onde atuou como figurante, ator, câmera e até diretor.

Sua escrita tem influência dos cordéis que ouvia em Limoeiro do Norte, no Ceará, onde viveu até os 25 anos. Até hoje ele mantêm o hábito de confeccionar cordéis de bolso, contendo dez páginas que trazem textos com assuntos históricos, filosóficos, sociais e religiosos, revelando a erudição ocultada por sua aparência de pedreiro.

Miguel, apesar de possuir apenas o ensino médio, é um esforçado autodidata e fala, além do português, esperanto, espanhol e francês. Também escreveu vários livros e conseguiu publicar dois deles: ‘Gazuza’ e ‘Sucata Gente’. Compôs a letra da trilha sonora de ‘Cinema Dilacerado’, um dos seus filmes, e possui mais de 300 escritos poéticos que tratam geralmente de temas sociais e questionam o poder dos governantes, a hipocrisia dos falsos moralistas e os costumes preconceituosos da elite dominante.

Seu interesse pelo cinema começou a partir de um convite: “Um dia, um rapaz, o José, me convidou para participar do curta-metragem ‘Sobreviver’, que conta a historia dos nordestinos da cidade. Eu topei e, depois disso, comecei a fazer vários cursos na área. Hoje, sou ator e diretor”, revela.

Com orgulho e alegria apresenta algumas predileções: “Os filmes que mais gosto são: ‘Pisadas Marcantes’, com o qual ganhei o prêmio, em parceria com o colega Arnaldo Malta, ‘Kruzmanta’, ‘Sobreviver’ e ‘A Mulher e a Flor’.

Na maioria das vezes seus clientes custam a acreditar que Miguel faz cinema: “Alguns pensam que sou louco. Dizem: esse cara, todo sujo, cheio de lama, pensa que é cineasta, mas como é possível ser cineasta e pedreiro? A maioria acredita, porque levo filmes em DVD para assistirem”.

Uma prima sua que mora na Bahia veio visitá-lo depois que mandou alguns dos filmes que produziu, só para conhecer o primo que faz cinema em São Paulo.

Miguel trabalha como pedreiro há mais de 30 anos, desde que saiu de sua cidade: “antes, fui carpinteiro no Pará e guarda noturno no Rio. A profissão ajuda a fazer cinema porque, como autônomo, me acerto nos horários. Às vezes, digo que meu hobby é ser pedreiro, mas não é verdade. Sobrevivo disso”, completa rindo.

Quando pergunto a Miguel se já conseguiu algum retorno financeiro com cinema ele demora um pouco a responder, mas fala sorrindo “tiro do bolso para conseguir gravar. É difícil fazer cinema independente no Brasil. Por enquanto, os filmes só aparecem no circuito de cineclubes, mas quem sabe dá para ir um pouco além. Continuo ganhando a vida mesmo como pedreiro”.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

*

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

  1. João Alberto dice:

    Acabei de saber que a SESCTV vai exibir o doc na grade de programação. Que bom!
    Ótimo conteúdo num excelente canal!
    Parabéns Zé

    Conheçam o blog do cineclube e com as entrevistas, fotos, e bastidores do Miguel
    cinekrusmanta.blogspot.com

  2. Maria Standler dice:

    Nunca vi um filme tão bem alinhado a realidade brasileira. O diretor captou de modo universal parte da história do Miguel. Merece cópias em inglês, espanhol e Chinês. Após assistir esse doc, senti que ainda existe esperança quando aprecio trabalhos como o do talentoso diretor José Luís de Freitas. Com poucos recursos desenvolveu um filme lindo. Passei a conhecer seus projetos por meio do Curta Doc que é uma excelente ferramenta de promoção do audiovisual brasileiro.

  3. Kleber Augusto dice:

    Sensacional! Filme que mostra a realidade de um artista pouco conhecido porém de uma vida muito rica, digna e um verdadeiro exemplo. O diretor conseguiu fazer uma obra de arte!

CURTAS RELACIONADOS

Dia Sim, Dia Não

Videomaker decide saltar do ônibus em que estava, na zona sul do Rio de Janeiro, para uma entrevista, quando avista...

Peniel

Um documentário sobre a Missão Peniel Adonay: uma casa de recuperação de dependentes químicos. Estes, por sua vez, falam a...

Cuna Espléndida

Morar, comer, dormir, vivir. Una charla con los sin hogares de la ciudad de...

El Pequeño y el Grande

El Morrinho es una maqueta hecha de pedazos de ladrillos que ocupa 300m² dentro de la Favela del Pereirão, zona...

Trecheiros

Trecheiros é um documentário sobre pessoas que não possuem residência fixa e vivem em albergues públicos das cidades da região...

Salva Dor

Em uma conversa cercada por dúvidas e nostalgias, um viúvo afogado na saudade acorda seu coração com perguntas sem respostas.