5362 visionados
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.8/5 (4 votes cast)

Adios a Cuba

Un retrato íntimo y familiar de Cuba, contado a través de las cartas de cuatro cubanos que dejaron el país, en épocas y por razones distintas.

Tema: COTIDIANO

Tags: américa_latina, cartas, cuba, drama_familiar, emigração_cubana, emigración_cubana, especial_Cuba

Programa Relacionado: Cartas no PapelCartas en Papel

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 14'39"

Diretor: Fabio Meira

Produtor: Angela Rubiano

Ano: 2006

Formato: HD

Montagem: Aldo Alvarez

Som Direto: Ruben Valdés

Fotografia: Daniela Cajías

Prêmios:
Prêmio Caracol de Melhor documentário de 2007 pela UNEAC (União dos Escritores e Artistas de Cuba),Melhor Documentário, Melhor Roteiro, Melhor Primeiro Filme e Melhor Fotografia no Festival Vale del Yumuri, Matanzas

Festivais:
Caracol - UNEAC 2007,Festival Vale del Yumuri de Matanzas, Cuba, 2007

Filmografia do Diretor:
Fabio Meira nasceu em Goiânia em 1979. Em 2004 Fabio Meira dirigiu seu primeiro curta, “Dolores”. Em 2005 se mudou a Cuba para integrar a Escola Internacional de Cinema e Televisão de San Antonio de Los Baños. Na Escola dirigiu o documentário “Adios a Cuba”, ganhador do prêmio Caracol de melhor documentário de 2007, pela UNEAC (Unión de los Escritores y Artistas Cubanos). Trabalhou como assistente de Ruy Guerra em “O veneno da madrugada” e Fernando Trueba em “Chico y Rita”. Foi aluno de Gabriel Garcia Marquez na oficina “Como contar un cuento”. Seu curta “Atlântico” participou de diversos festivais internacionais, tendo recebido, em 2009, o prêmio de melhor curta-metragem no Festival de Toulouse, na França. Mesmo ano em que se pós-graduou em roteiro de cinema pela Escola Superior de Cinema da Catalunha, em Barcelona. Fabio dirigiu e escreveu sete curtas-metragens. Seu trabalho mais recente, o documentário “Hoje tem alegria” foi eleito o melhor curta-metragem pelo júri da ABD-SP na edição de 2011 do festival “É tudo verdade”.


Comentário do Diretor: "Adios a Cuba" é um trabalho que marcou muito a equipe que o realizou. Ali começou uma série de experimentações de caminhos que seguem até hoje para o diretor, para o técnico de som e para a fotógrafa. Além disso, a pesquisa foi de uma riqueza indescritível, mais de 100 cartas foram lidas. Talvez a maior emoção seja a da confiança desses cubanos que emprestaram suas cartas para que servissem de matéria prima ao documentário, cedendo assim uma parte de suas vidas e de suas histórias.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

*

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

    Este corto aún no ha sido comentado. ¡Sé el primero!

CURTAS RELACIONADOS

Cuando llevaba mi chaqueta de cuero

Un rescate de la figura del vaquero del Cariri Paraibano con testimonios de los antiguos vaqueros de la región. La...

Una raya en el Cielo

La muerte misteriosa de um músico interrumpió una importante carrera artística. Carlinhos Hartlieb fue un grande aglutinador cultural de la...

Mirada Contestado

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en

(Português) Camará Blues

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en

Sweet Karolynne

Ni Elvis, ni Jarbas murieron. Es todo una gran...

Faltan 5 minutos

El fútbol es universal. Las coberturas radiofónicas de ese desporto también. Este documental revela aquello que no estamos acostumbrados a...