7936 visionados
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.0/5 (2 votes cast)

Oi Lá no Céu!

O documentário, Oi Lá no Céu!, demonstra a relação entre o social-cotidiano dos tempos atuais e a importância da manutenção das tradições, tornando visíveis os elementos e vivências que se permeiam nesse universo musical. Apresenta o contexto sincrético das cantigas em relação aos movimentos da dança e à performance dos rituais. A construção civil é uma das principais atividades de sobrevivência dos componentes das congadas. As congadas de Atibaia podem ser entendidas como bailados guerreiros, documentativos de lutas. Na construção civil temos o encontro da água, da terra, da madeira, do ferro, elementos que se transformam pelas mãos dos trabalhadores: guerreiros no cotidiano. O simbolismo se apresenta no dia a dia e no momento máximo de celebração: as festas devocionais de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito.

Tema: CULTURA POPULAR

Tags: congada, cultura_popular, garatuja, sincretismo

Continuação: Parte 1 - Parte 2 - Parte 3

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 26'

Diretor: Rubens Xavier e Élsie da Costa

Produtor: Rubens Xavier

Ano: 2005

Montagem: Fernando Andrade

Som Direto: René Brasil

Fotografia: Aloysio Raulino

Trilha: Congadas de Atibaia

Festivais:
IV Festival Guaçuano de Vídeo

Filmografia do Diretor:
Diretor Assistente

* O Tronco (1999) (Longa-metragem)

Diretor

* A Guerra dos Vizinhos (2009) (Longa-metragem)

Ator/Atriz

* O Baiano Fantasma (1984) (Longa-metragem)

Outros Membros

* Veias e Vinhos - Uma História Brasileira (2006) (Longa-metragem), Assistente de direção
* O Baiano Fantasma (1984) (Longa-metragem), Assistente de produção
* O Homem que Virou Suco (1981) (Longa-metragem), Assistente de produção
* A Caminho das Índias (1979) (Longa-metragem)

Roteirista

* A Guerra dos Vizinhos (2009) (Longa-metragem)


Comentário do Diretor: Quem é este guerreiro que dança, canta e luta majestosamente nos dias de festa? Porque acordam, com seus tambores de madrugada, os que dormem sob o teto que eles construíram? Porque se trajam com fardas, fazendo-se lembrar oficiais? Se perguntarmos a eles, talvez não saibam responder. As respostas estão na ação em si, no discurso não verbal de todos os ritos, os do dia-a-dia, os da festa: momento máximo de celebração e constatação da sua existência perante a sociedade abastada. A quem se celebra o milagre da vida e se clama por justiça? Santos? Divindades? É S. Jorge? É Nossa Senhora? É S. Benedito?
Falar da congada é uma coisa. Falar do universo dos congadeiros, passa a ser uma outra coisa. Que vivências, sonora, poética e musical constroem essas congadas?
Discretamente, submersa sob o espesso manto da conversão ibérica, reinam: Ogum, Iemanjá, Oxum, Xangô, etc, os que emergem das profundezas da terra e os que pousam vindos do céu nas asas de cuitelinhos, canarinhos, periquitos, sanhacinhos, pombas brancas... Conscientemente? Inconscientemente? Não importa! Importa o que está vivo, onde está vivo, como está vivo. Afinal, quem pode ser o Capitão, o General, o embaixador ou o rei?

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos necesarios están marcados *

*

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

    Este corto aún no ha sido comentado. ¡Sé el primero!

CURTAS RELACIONADOS

Ri loq’oläj maya’ q’aq’ – El fuego sagrado maya

Un grupo de Guías Espirituales mayas kaqchiqueles realiza cuatro ceremonias en diversos cerros sagrados de los alrededores de Iximché, Guatemala,...

Pucha vida

Pucha es un modelo revolucionario, vive una vida feliz en un entorno decorado por ella misma. Las tablas de madera...

Oro verde – La rueda de samba del Marapé

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en

Los sonidos de la montaña

Dicen que hace muchos años existió un ser engendrado por el volcán Galeras que había nacido para cuidar a los...

Arte en transe

Manifestaciones artísticas en las calles hay en todos los países, sin embargo parece que ellas se multiplican en España. Las...

El Buey Robado

Trabajadores rurales recuerdan de la época en que usaban la creatividad para trabajar y divertirse al mismo tiempo. Era una...