3938 visionados
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.0/5 (13 votes cast)

Era una vez en la ciudad atómica

En Pocinhos tiene uranio. En Pocinhos tiene cáncer. En Pocinhos tiene la mayor piedra del mundo. En la piedra tiene casas. Por bajo de la piedra, una noche tuvo una explosión...

Tema: DERECHOS HUMANOS

Tags: câncer, especial_meioambiente, explosão, explosión, urânio

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 13'

Diretor: Riccardo Migliore

Produtor: Martins Alves, Daniel Cabral, Riccardo Migliore

Ano: 2011

Formato: HD

Montagem: Carlos Mosca, Riccardo Migliore

Som Direto: Martins Alves

Fotografia: Riccardo Migliore

Trilha: DJ Hunter (Nila Araújo)

Festivais:
MFL (mostra do filme livre), 2012, II Uranium International Film Festival

Filmografia do Diretor:
Natural de Milão (Itália), mora no Brasil há mais de seis anos. Realizador audiovisual independente, desde março de 2010 é parecerista credenciado pelo MinC, prestando serviço pela Secretaria do Audiovisual. Dirigiu diversos documentários e curtas de ficção e participou de festivais nacionais e internacionais de cinema, assim como, entre outros: É Tudo Verdade (2011), Cineport – Festival Internacional de Cinema dos Países de língua portuguesa (2007, 2011), In-edit Brasil (2011), Rassegna Brasil Cinema Contemporaneo (Milão, Itália, 2011), Zanzibar International Film Festival (Zanzibar, 2007), Mostra Internacional do filme etnográfico (2009, 2011), CineDocumenta (2010, 2011), Prêmio Roberto Rossellini (2004). Em Milão estudou Artes (Diploma de II grau, em 1996, pelo Liceo Artístico I) e Cinema (Scuola del Cinema, TV e Nuovi Media – Fondazione Scuole Civiche di Milano), e ainda estagiou e trabalhou em produtoras como a Mercurio Cinematografica. Participou de oficinas de cinema com profissionais de nível internacional (Gianfilippo Pedote, Gianni Squitieri, Bruno d’Annunzio, Renzo Rossellini, Mohammed Kalari, Yesim Ustaoglu, Marcélia Cartaxo, entre outros); E ministrou quatro oficinas de introdução: à fotografia, ao cinema e ao filme documentário (UFCG, 2008-2009). Também é graduando (concluinte 2012.1) em C. Sociais (UFCG), com pesquisa na área de Antropologia fílmica.


Comentário do Diretor: Em Pocinhos (PB), há aproximadamente meio século, alguns norte-americanos começaram a aparecer com freqüência, conduzindo pesquisas científicas no anonimato. A pequena cidade do semi-árido paraibano, hoje, tem um índice muito elevado de câncer. Pesquisadores brasileiros, nas décadas de setenta e oitenta do século passado, realizaram pesquisas in loco, confirmando a presença de urânio no subsolo do município. Neste documentário, os moradores falam sobre a situação, sendo que alguns deles testemunharam o processo de extração de urânio e a medição do mesmo com aparelhos científicos. Eles expressam as respectivas opiniões, ou protestam contra o silêncio que, ainda hoje, nega para a população local, qualquer informação capaz de elucidar os fatos e acima de tudo, a eventual relação entre urânio e câncer.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

*

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

    Este corto aún no ha sido comentado. ¡Sé el primero!

CURTAS RELACIONADOS

lo que ellos hablan

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en

Cozinha de Rua

Igor Amin e seus amigos foram até o local onde vivem seus vizinhos Maria Antônia e Geraldo para trocar conversas,...

(Português) MULHERES DE 50

...

¿Ser o no ser?

A través de deposiciones personales, el racismo es discutido por los actores de la Co. de Teatro OS CRESPOS, en...

Guía de supervivencia en el Perú

Dos amigos hablan de sus experiencias e impresiones de un viaje a...

Baldosas en Buenos Aires

Baldosas existentes en algunas veredas de Buenos Aires, recuerdan en silencio la existencia de algún militante desaparecido durante la última...