24368 visionados
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.9/5 (13 votes cast)

Trabalho precário produção de luxo

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Português.

Tema: DERECHOS HUMANOS

Tags: costura, costureira, mulher, trabalho

FICHA TÉCNICA

País: Brasil

Duração: 16'36"

Diretor: Idalina Vinuto

Produtor: Idalina Vinuto

Ano: 2015

Formato: Digital

Montagem: Marcley de Aquino

Festivais:
Sercine Curta Canoa

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

*

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

  1. marcio joao da silva dice:

    boa , sim e um trabalho muito importante cada trabalho importante ,cada um tem o seu valor

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  2. Maria silvane dice:

    Neste documentário podemos notar uma trabalhar feito por amor a profissão, porém com pouco reconhecimento. Como o documentário já diz mão de obra barata. Eles sonham que o reconhecimento e para quer seu trabalho seja mas valorizado.

    No votes yet.
    Please wait...
  3. Maria silvane santos dice:

    Podesse notar que é um trabalho que ambas as partes procurar melhoria entre elas o principal que o reconhecimento da mão de obra barata. Sendo assim um reconhecimento da empresa. Notasse que a pessoa trabalha não só por amor mas sim também para dar uma vida melhor para sua família

    No votes yet.
    Please wait...
  4. Maria silvane santos dice:

    Podesse notar muito trabalho e pouco reconhecimento. Porém trabalho esse muito bem feito. Sendo quer a trabalhar por amor a profissão. Mas luta pelo reconhecimento. E pela família para dar um futuro melhor a ela.

    No votes yet.
    Please wait...
  5. Maria silvane santos dice:

    Neste vídeo podemos notar um trabalho que não existe reconhecimento financeiro. Porém trabalho muito bem feito. Notasse que a família trabalha na esperança de um futuro melhor para sua família. Mas, e muito trabalho e pouco reconhecimento das empresas.

    No votes yet.
    Please wait...
  6. Maria silvane santos dice:

    Podemos notar que é muito trabalho, porém não tem seu reconhecimento merecido. Sem contar o pagamento que e muito pouco. Ou seja eles tem reconhecimento algum. Porém fazem seu trabalho com muito carrinho. E sempre na mente que o dia melhor está por vim. E muito sofrimento mas para dar um futuro melhor para sua família.

    No votes yet.
    Please wait...
  7. Marcel dice:

    Infelizmente muitos trabalhos não são reconhecidos e nem valorizados e são extremamente necessarios!

    Rating: 4.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  8. Anderson dos Santos dice:

    Essa realidade não acontece só mente no Ceará o nordeste inteiro temos esse tipo de situação da onde eu venho isso ocorre na agricultura e no artesanato no qual muitos não tem renda fixa e o pouco que produz pra sobreviver os comercializante se aproveitam paga bem pouco no qual os mesmos no os valores são bem altos

    No votes yet.
    Please wait...
  9. Fernando Ferreira Rocha dice:

    Deveria haver um selo em cada peça de roupa pra constatar que existe respeito aos direitos humanos. Peças sem o selo ficariam proibida a sua comercialização.

    No votes yet.
    Please wait...
  10. GERSON LUIZ LIMA RODRIGUES dice:

    Como não poderia deixar de ser, muitos trabalhadores não são valorizados nesse país. Produzem para uma determinada casta da sociedade, que lucra de maneira exorbitante, e quem transforma a matéria prima em produto final simplesmente sobrevive com as migalhas que lhe é paga. Simplesmente lamentável.

    No votes yet.
    Please wait...
  11. Eliana Aparecida Avezani Monteiro dice:

    Absurdo,enquanto uns trabalham precariamente para manter necessidades básicas como prover o alimento da família, outros enriquecem de maneira injusta , aproveitando se do trabalho «escravo «.

    No votes yet.
    Please wait...
  12. Claudiney dice:

    Desumano! Um País tão rico quanto o nosso tratar nossos trabalhadores dessa forma desumana, simplesmente desumano!!!

    No votes yet.
    Please wait...
  13. Fernando Ramos dice:

    Desigualdade social, preconceito, exploração são alguns fatores observados no video uma crise economica que afeta o mundo, sim, mas junto a isso vem de um lado a oportunidade do empresario explorar a mão de obra querendo lucrar cada vez mais e a garra do brasileiro pobre lutando por melhores condições de sobrevivencia.

    No votes yet.
    Please wait...
  14. Elaine dice:

    Infelizmente isto ainda acontece em várias partes tanto no Brasil como em outros países muita das vezes não são divulgados, muito triste não tem os direitos humanos e trabalhistas para todos.

    No votes yet.
    Please wait...
  15. ronieris dice:

    nossa uma triste realidade que muitos decohecem

    No votes yet.
    Please wait...
  16. JOSIANE CRISTINA MORAES dice:

    É MUITO TRISTE ESSAS EMPRESAS QUE SUPERFATURA NAS COSTAS DESSAS COSTUREIRAS,POIS O TRABALHO MAIOR SÃO DESSAS COSTUREIRAS QUE TEM UM GASTO BEM MAIOR COM LINHAS,AGULHAS,ENRGIA ELETRICA ,ENTRE OUTOS GASTOS E SUA MÃO DE OBRA TAMBEM,TEMPO GASTO COM TODO ESSE TRABALHO E NO FINAL SÃO AS LOJAS QUE REALMENTE TEM LUCROS,E TAMBEM TRABALHAM SEM REGISTRO ,SEM SEGURANÇA NENHUMA SE ACASO SE MACHUCAR,E TAMBEM POR TER POUCO LUCRO TEM QUE POR OS FILHOS AJUDAR PARA TER UM LUCRO MAIOR.

    No votes yet.
    Please wait...
  17. gabriel k dice:

    Com todo respeito a senhora do video, creio que ela nao tem muita propriedade para falar de um ambiente ruim e desvalorização do trabalho. Sou neto, sobrinho e filho de costureiras e elas sempre costuravam por alguns centavos por peça concluida, sendo que a peça na loja chegava a custar de 150 a 200 reais, ganhar 2 a 2,50 como a senhora do video disse que ganhava seria um lucro absurdo pra minha avó, mãe e tia, elas sempre correram atras de um ambiente melhor para trabalho, para melhor reconhecimento pelo excelente trabalho, ate eu mesmo e meus primos ajudavamos elas de graça tudo pra que elas pudessem concluir mais trabalhos para assim garantir mais dinheiro no fim do mes, e ainda sim era pouco e quase nao dava pra quitar as contas. Novamente nao estou reduzindo ou menosprezando a senhora do video mas creio que se a materia fosse pra mostrar a real realidade de facções e suas condições eles poderiam ter ido atras de gente que realmente dão o coro pro trabalho em troca de centavos. Minha vó batalhou desde sempre pra cuidar das minhas 2 tias e minha mae, alem de cuidar da casa e da roça enquanto meu avô trabalhava de pedreiro, Ela sim seria uma boa fonte de conhecimento referente a má valorização do trabalho, e a batalha constante por um ambiente de trabalho melhor asism como um reconhecimento pelo seu excelente trabalho.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  18. GIZELE LEIDIANE DE SOUZA COSTA dice:

    Infelizmente essa é a triste realidade das pessoas menos favorecidas. A necessidade obrigada a trabalhar sobre condições precárias e ainda assim não tem o merecido reconhecimento do que faz. Eu sei bem como é isso.

    No votes yet.
    Please wait...
  19. Fernanda Cristina dice:

    Triste realidade observamos que por trás do luxo das vitrines bonitas , geralmente há uma exploração de mão de obra e um trabalho precário, no entanto, muitos consumidores inclusive eu desconhecia essa realidade

    No votes yet.
    Please wait...
  20. Fernanda Cristina dice:

    Triste realidade observamos que por trás do luxo das vitrines bonitas , geralmente há uma exploração de mão de obra e um trabalho precário, no entanto, muitos consumidores inclusive eu desconhecia essa realidade

    No votes yet.
    Please wait...
  21. Nayhara dice:

    Muito legal e interessante as regiões e como as culturas são diferentes, amo conhecimento e sempre bom está por dentro das mudanças e cidades.

    No votes yet.
    Please wait...
  22. Donal de Sousa Freitas dice:

    Trabalho pesado e que não é reconhecido, valores ínfimos pagos para uma população que tem que aceitar os preços baixos, pois dependem disso para sobreviver.

    No votes yet.
    Please wait...
  23. Lucineide Alves de lima dice:

    Infelizmente as grandes marcas de roupas só pensam no lucro, deveriam valorizar mais quem faz o trabalho pesado de fato no caso as facçionistas, uma vez que sem costureira essas grandes marcas não teriam roupas para vender.

    No votes yet.
    Please wait...
  24. Lucineide Alves de lima dice:

    Eu acredito que essas facçionistas aceitam trabalhar por um preço tão baixo pelo fato de, muitas ter filhos e não ter onde deixar e nem condições de pagar alguém pra cuidar enquanto trabalham fora, a maioria não tem estudo e nem instruções para abrir o próprio negócio com tudo regularizado, então essa é única forma de ter uma fonte de renda e ao mesmo tempo cuidar da casa e dos filhos.

    No votes yet.
    Please wait...
  25. Christiane F. dice:

    Mesmo em meio a essa realidade triste de existe ao redor do mundo, fiquei admirada com a força dessa mulher positiva, inteligente e de liderança tão admirável, que privilégio ter uma esposa, mãe e irmã tão guerreira. Parabéns!

    No votes yet.
    Please wait...
  26. ana dice:

    trabalho escravo o proprio povo escraviza seu povo .igual a china.

    No votes yet.
    Please wait...
  27. KELLY LENTZ LUMERTZ dice:

    Infelizmente acontece muito disso em todos os lugares do mundo. Local de trabalho não apropriado. Não reconhecimento de valores e mão de obra do produtor.

    Rating: 4.75/5. From 8 votes.
    Please wait...
  28. KELLY LENTZ LUMERTZ dice:

    Infelizmente acontece muito disso em todos os ligares do mundo. Local de trabalho não apropriado. Não reconhecimento de valores e mão de obra do produtor.

    No votes yet.
    Please wait...
  29. MIRIAN DE SOUSA MONTEIRO dice:

    TRISTE REALIDADE. NESTE DOC. MOSTRA A DESIGUALDADE POR INTERESSES .
    TODO SER HUMANO TEM O DIREITO DE BOAS CONDIÇOES DE TRABALHO . LOCAL ADEQUADO, REGISTRO NA CARTERIA DE TRABALHO. ALIMENTAÇÃO ADEQUADA. CARGA HORÁRIA CORRETA. BENEFICIOS DE PRESTADOR DE SERVIÇO PARA TAL CATEGORIA. É O MINIMO, RESPEITO E CUMPRIR OS DIREITOS TRABALHISTA .

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  30. FELIPE ALVES CORDEIRO dice:

    Trabalho precario é assimilado a

    No votes yet.
    Please wait...
  31. valbert diogo da cunha dice:

    trabalho excelente parabens a produçao pela profundidade e ao mesmo tempo pela simplicidade em descrever e apontar de maneira tão real algo que nos impacta a muito tempo

    No votes yet.
    Please wait...
  32. GIOVANI EDUARDO BASSO dice:

    Ótimo trabalho e finalizado com carinho, só não valorizado , como outros produtos bem produzidos a mão , as pessoas não valorizam a mão de obra como deveriam ser valorizadas.

    No votes yet.
    Please wait...
  33. Ana matias dice:

    Trabalho muito bem feito e feito com carinho e amor, mas não valorizado , como vários outros produtos bem produzidos a mão , as pessoas não valorizam a mão de obra como deveriam ser valorizadas.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  34. Paulo Roberto Waitman dice:

    mão de obra qualificada, porem seu salario praticado não corresponde com suas atividades caracterizando um total desrespeito com serres humanos pagando pouco porem seus lucros são bem maiores quando praticado nas vitrines sendo assim um desrespeito aos Direitos Humanos , uma família que esta sendo cerceada de seus direitos como salário digno para possa dar uma vida digna aos seu filho como lazer saúde e educação

    Rating: 1.00/5. From 2 votes.
    Please wait...
  35. Adrielli dice:

    Uma triste realidade, trabalho feito de bom gosto e capricho sem retorno monetário, mão de obra muito barata e valor do produto super saturado. A realidade de muitas mulheres e famílias sofrendo com a desigualdade de nosso País.

    Rating: 3.00/5. From 2 votes.
    Please wait...
  36. Ana Paula dice:

    Infelizmente essa cena se repete em todo o país, a maioria dessas pessoas são mulheres, com péssimas condições de trabalho e escravidão, sem direito fundamentais que uma empresa deveria proporcionar, e para conseguir uma renda um pouco a mais, tem que trabalhar sem folgas, mesmo que no documentário ela diz que não é obrigatório os trabalhos de fim de semana, e mesmo trabalhando sem parar essas pessoas recebem uma miséria, e as vezes nem recebem, e infelizmente o faturamento dessas empresas de luxo só aumentam através desses trabalhos escravos.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  37. Mirian Nogueira dice:

    Obra de mão barata e preços super faturados, pessoas de baixa renda onde precisar de trabalho para sobreviver pega trabalhos para receber pouco. Os donos de lojas ganham valores absurdos onde suas peças tem um pequenos custo e um lucro enorme, essas pessoas trabalham em lugares precários, ficam horas em frente a uma máquina trabalhando, sem folga, sem descanso. No documentário diz que eles não são obrigados a trabalhar no domingo, porém para conseguir um valor maior de dinheiro eles trabalham de segunda a segunda. Esse tipo de trabalho deveria ser fiscalizados, assim seria pago um valor justo para essas pessoas.
    É triste saber que ainda hoje, existe esse tipo de trabalho.

    Rating: 2.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  38. valbert diogo da cunha dice:

    Infelizmente ainda é a realidade de muitas pessoas no mundo inteiro mas se tratando de brasil é um cenário ainda mais crítico ,tanta riqueza nas mãos de tão poucos , muita pobreza nas mãos de muitos na verdade quase todos .

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  39. JESSICA NUNES DE OLIVEIRA dice:

    Desumano

    No votes yet.
    Please wait...
  40. Sidinei Dorigon dice:

    São guerreiras mulheres que lutam todos os dias para levar o pão de cada dia na mesa para seus filhos, e ainda geram empregos elas trabalhando em casa ainda gera empregos, as autoridades precisam ver isso pois não tem carteiras assinadas não tem direito nenhum, sao poucas valorizadas coitadas ganham dois real somente por peça, isso e muito pouco.

    No votes yet.
    Please wait...
  41. Sidinei Dorigon dice:

    Sao mulheres muito guerreiras que lutam todos os dias para poder trazer o pão de cada dia na mesa, sao pouca valorizada pois aonde se viu pagar por uma peça dois real, e muito pouco, tambem nao tem carteira assinadas sem direito nenhum, sem garantia nem uma. As autoridades precisam ver isso, e ajudar essas guerreiras, pois sao poucas valorizadas.

    No votes yet.
    Please wait...
  42. JONATAS CARDOSO DA SILVA dice:

    Tema de extrema importancia, pois mostra que muita mão de obra não é valorizado, ainda mias quando é terceirizzado,Tema que deve abranger muitas discussões nos órgãos e entidades de direitos humanos, vejo como os escravos do século 21.

    No votes yet.
    Please wait...
  43. marcos dice:

    Acho que não só aqui no brasil ,mas em todo mundo ,pessoas de alto poder aproveitando das dificuldades de outra para ganhar dinheiro nas costas delas.

    No votes yet.
    Please wait...
  44. Paulo Roberto Waitman dice:

    a dinâmica de trabalho notamos ao assistir este episodio que seus direitos humanos sendo serciados, sabemos que seriam universais , outra decorrência lógica dessa concepção de direitos humanos independente do seu de nascimento e mesmo contextos o local que trabalha salubre a qual vivem, a jornada de trabalho não obedece as leis trabalhistas sem contar com baixo salario total descumprimento com o salario praticado no nosso pais ,sendo assim sendo necessário, a aplicação dos direito humanos para que possa ter direito a saúde educação e lazer, vemos ai um povo vivendo era absolutismo.

    No votes yet.
    Please wait...
  45. Sérgio José Longati Junior dice:

    O vídeo Trabalho Precário apresenta a realidade de uma grande parte da nossa sociedade, a desigualdade social. Famílias vivendo em situação de escravidão, sem que os seus direitos sejam respeitados.
    Nesse vídeo podemos observar que o trabalho de faccionista é mais um de muitos que atuam na informalidade, trazendo grandes prejuízos para o trabalhador.
    Podemos observar também que essa família não teve o direito da educação mantido, pelo simples fato do trabalho ser uma necessidade e não uma escolha.
    Apesar de ver o orgulho dessa mulher perante ao seu trabalho, vemos que em pleno século 21 a escravidão ainda não acabou só foi adaptada.
    Se analisarmos friamente esse vídeo, veremos que a falta do estudo e a falta de planejamento familiar desde o início da fase ativa de trabalho na sociedade, levam grande parte dos trabalhadores a trabalharem na informalidade, se sujeitando a serem explorados.

    No votes yet.
    Please wait...
  46. Ana Cristina Dos Santos dice:

    Os empresarios do ramo das confeccoes se aproveitam da necessidade das pessoas para se darem bem.Onde esta o ministerio do trabalho que nao ve esta exploracao.

    No votes yet.
    Please wait...
  47. Ana Cristina Dos Santos dice:

    Os empresarios do ramo das confeccoes se aproveitam da necessidade das pessoas para se darem bem.O es ta o ministerio do trabalho que nao ve esta eploracao.

    No votes yet.
    Please wait...
  48. Anderson Magno de LIma dice:

    O curta-metragem acima mencionado descreve um retrato da realidade de grande parte da população brasileira, principalmente as pessoas de baixa renda. Estas famílias através da criatividade conseguiram manter o sustento das pessoas. Esta situação se reflete ainda mais neste período de pandemia, onde muitos perderam seus empregos formais e tiveram que se adaptar em novas atividades.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  49. Jefferson Lima dice:

    Tema que deve abranger muitas discussões nos órgãos e entidades de direitos humanos, vejo como os escravos do século 21.

    Rating: 4.50/5. From 4 votes.
    Please wait...
  50. Rita Ernandes dice:

    gente a simplicidade dessa mulher é marcante, o brilho no olhar dela desejando saber administrar seu próprio negocio é gritante, é uma pena que existam empresas que aproveitam de pessoas sem base e conhecimentos necessários sobre empreendimento.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  51. francisco andrey adamo dice:

    muuuito interessante

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  52. VERIDIANE dice:

    A Mulher ainda e discriminada na sociedade, muitas tem a sorte de ter um trabalho digno.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  53. geclienisson dice:

    Deveriam ter mais zelo com o direitos humanos, a mulher clama pelo direito da faccionista, clama pela uma carteira asssianada, ou mesmo por uma lei que veja o trabalho delas.

    Rating: 4.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  54. Isabel dice:

    As empresas se aproveitam da necessidade e até da ingenuidade das famílias carentes.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  55. Aline CABRAL Nunes dice:

    Exploração e Desvalorização da mão de obra do trabalhador.

    No votes yet.
    Please wait...
  56. Ewerton Pereira da Silva dice:

    Podemos observar nesse vídeo que existem muitos trabalhadores informais que por causa da informalidade não possuem nenhum direito trabalhista, não tem nenhum plano de saúde, seguro de vida ou coisa similar.
    O Brasil é o país da informalidade, e nos tempos atuais por causa da pandemia do novo corona virus certamente essa condição tem aumentado exponencialmente.

    No votes yet.
    Please wait...
  57. Catarina Santos dice:

    Nesse vídeo mostra que a falta de estudo trás uma desestruturação familiar, que impacta uma geração, mas mostra também que nos dias de hoje os pais valorizam mais os estudos dos seus filhos para que não passem pelas mesmas dificuldades. Podem até seguir no mesmo ramo, mas terão uma infraestrutura e conhecimento para nesse mesmo ramo poder ser bem mais sucedido que seus pais.

    No votes yet.
    Please wait...
  58. Catarina Santos dice:

    Desvalorização e péssimas condições de trabalho.

    No votes yet.
    Please wait...
  59. EuclidesJose da Siva dice:

    Realmente é preciso muito esforço e determinação dessas pessoas que querem ter uma vida mais digna . Precisam ser mais valorizadas

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  60. francisco andrey adamo dice:

    COMPLICADO,uma lástima que isso esteja acontecendo,estão ganhando a vida honestamente mas praticamente não são valorizadas pois são elas que confeccionam uma boua parte das mercadorias,era para estar com a carteira assinada,sei que o importante é GANHAR O PÃO COM HONESTIDADE mas seriam mais valorizadas se assinassem a carteira ou fossem mais reconhecidas.

    Rating: 5.00/5. From 1 vote.
    Please wait...
  61. Andreia Paula Lourenço Pinto dice:

    A precariedade do trabalho tem como consequência a alienação e degradação da vida da classe trabalhadora que, para sobreviver, precisa submeter à venda da sua força de trabalhado por salários que viabilizam apenas o básico para a reprodução do trabalhador.

    No votes yet.
    Please wait...
  62. weslei dice:

    tinha que valorizar mais o trabalho do ser humano,paras com a exploração,pois muitas empresas exploram seus funcionários e muitas delas nem registram.

    No votes yet.
    Please wait...
  63. EDINEIA de Morais dice:

    Desvalorização do trabalho.

    No votes yet.
    Please wait...
  64. claudinei mancuso dice:

    Exploração do ser humano. Deveriam investir mais nas pessoas.

    No votes yet.
    Please wait...
    • Aline CABRAL Nunes dice:

      Exploração e humilhação dos trabalhadores.

      No votes yet.
      Please wait...
      • Fatima Machado Falconeres dice:

        Desvalorização do trabalho docente ,tendo em vista que e preocupante .
        muitos sai em busca de trabalho digno e acaba sendo maltratado .

        No votes yet.
        Please wait...

CURTAS RELACIONADOS

Me Tengo que Ir

En diciembre de 2009, un equipo de video siguió las últimas 48 horas de un migrante en São Paulo, Brazil....

(Português) A Bela Velhice

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en

Echa Pa’Lante

Gloria Haydée Ruiz, fue profesora en la ciudad de Villa de los Santos, Panamá. Es una mujer que está adelante...

Ley de la Mujer

Mujeres tan diferentes con una história en comun: todas son victimas de violéncia, sea sexual, moral o psicológica. Ellas comparten...

Entre Vanos

Entre Vanos es un documental etnolírico que se pasa en el Vano de las Almas, habitado por la comunidad restante...

(Português) QUILOMBO DE QUEIMADAS

Este corto trata del dia a dia de la comunidad de remanescentes de Quilombolas en el extremo oeste de Ceará...